sábado, 9 de março de 2013

08 de março
Dia Internacional da Mulher
Imagem: Disponível em: <http://encontrointimo.com.br/artigos/mulheres/
porque-dia-internacional-da-mulher/>
Usualmente não gosto muito de dias disso, dias daquilo, dias daquilo outro. Agora tem dia para tudo. Comemorar o Dia Internacional da Mulher seria reconhecer nossa fraqueza como minoria e seria inócuo não fosse seu significado. Dia de mulheres que lutam para SER. Este movimento iniciou-se na Rússia quando as mulheres em 1911 lutavam por melhores condições de trabalho, foi alimentado pela luta das mulheres contra a primeira guerra mundial, pelo direito de votar agora nos Estados Unidos, até que o movimento foi reconhecido internacionalmente. Ainda na Rússia algumas costureiras reclamaram por melhores condições de trabalho e logo depois uma fábrica incendiou matando 146 funcionários, quase todas costureiras. Por isto, paira a dúvida se o incêndio foi proposital ou um acidente, mas mesmo assim este incêndio começou a ser interligado com a luta das mulheres.
Na década de 70 o movimento feminista acirrou a luta por mais igualdade e a celebração do Dia Internacional das Mulheres. Quero celebrar algumas mulheres: sei que todas merecem ser celebradas pelo simples fato de serem mulheres. Mas, um sábio chinês afirma que existem dois tipos de pessoas no mundo: as ordinárias (comuns) e as extraordinárias. As comuns são as que se deixam mover e somente vêem as coisas acontecerem, e as extraordinárias são as que fazem as coisas acontecerem. Assim, há algumas mulheres que merecem ser lembradas por sua coragem e determinação. Desculpem-me se não enumerar aquelas que você gostaria ou conhece. Coloco as que me vêm à memória. Muitas mulheres no Brasil e no mundo têm lutado e feito a diferença conquistando direitos: direito de voto; direito a melhores salários; direitos políticos. Porém recordo da história de Rose Parks, uma costureira negra norte-americana que em 1955, no auge do racismo americano, recusou-se a se levantar para um branco sentar em um ônibus. Foi uma ativista da igualdade dos direitos civis nos Estados Unidos e com sua atitude estimulou Martin Luther King Jr. a lutar pela igualdade entre os seres humanos nos Estados Unidos. E a mulher que mais me impressionou até hoje:
Madre Teresa de Calcutá, que na Índia juntava os moribundos e lhes dava uma morte serena e digna de acordo com a religião de cada um. Rubem Alves, escritor, psicanalista, no seu livro O Médico, afirma que a vida começa com uma chegada e termina com uma despedida e que devemos preparar também com o mesmo carinho a despedida de quem amamos. Madre Teresa de Calcutá tratava com carinho a despedida de quem nem conhecia, mas amava igualmente. Seu exemplo de vida inspirou muitas instituições e quando faleceu deixou inúmeras ONG’s que inspiradas por sua dedicação faziam o mesmo.
Uma vez interrogada em uma entrevista porque fazia tal gesto, ela falou que o fazia porque via o rosto de Jesus em cada mendigo. Antes de Madre Teresa e seus voluntários e voluntárias começarem seu trabalho, ela mantinha outro número de sua equipe fazendo seu serviço por duas horas para que eles pudessem orar e pedir forças e sabedoria a Deus. Eis uma mulher corajosa e determinada.
Li em algum lugar que alguém escreveu que a mulher que merece ser celebrada seria aquela que ensina em escolas públicas por um salário mínimo. Estas se deixam mover. Creio que mais importante ainda é que se levantem mulheres que lutem para que os professores de escolas públicas não trabalhem somente por um salário mínimo. Precisamos de mais Déboras, uma juíza de Israel que certa vez cavalgou com 10.000 homens para mostrar ao Rei que Deus lhe daria a vitória. Precisamos de mais Rosa Parks que desafiem o sistema cruel e injusto do racismo e da discriminação. Precisamos de mais Indira Ghandis, mais batalhadoras que façam a diferença não somente para si, mas para todas as mulheres que subjugadas pelo sistema cruel consigam alçar um lugar digno e honrado no mundo.
O jogador Romário numa frase infeliz desejou feliz dia às “calcinhas”. Este é o retrato de um homem que só vê as mulheres pelo sexo ou o que usa. Desprezível.
Feliz dia das Mulheres, Mulheres corajosas e valentes. Que vocês sempre se lembrem de SER e não deixe nunca que lhes digam que vocês são menos ou mais.
Vocês simplesmente e grandemente
SÃO MULHERES!

Nenhum comentário:

Postar um comentário